Segmento que encontra-se mais amadurecido e na crista da onda no momento, os scoooters caíram no gosto dos brasileiros e encontra em muita gente que quer migrar das quatro para as duas rodas a grande maioria de seus clientes. Foi pensando nisso que o MOTOO resolveu avaliar a Yamaha NMax. Lançada em março de 2016, o scooter da Yamaha chegou para competir com a líder de mercado na categoria, a Honda PCX, e logo de cara a facilidade de pilotagem que a NMax entrega para acelerar e frear no trânsito urbano explica porque muita gente enxerga nos scooters a opção de veículo ideal para encarar o trânsito das grandes cidades.

A N-Max vem com um novo motor 4 tempos SOHC monocilíndrico de 155,09 cm³ e potencia de 15,1 cv a 8.000 rpm, que impressiona pelas excelentes arrancadas e retomadas de velocidade. A sensação é de estar pilotando uma moto ágil e potente.

O nível de vibração mais elevado, que era uma característica dos scooters mais antigo, é algo que você raramente vai notar a bordo da N-Max. Mesmo em ruas irregulares e esburacadas, a moto oferece rodar suave em grande parte graças às rodas aro 13” e o bom curso de suspensão para um scooter. Nas rodovias, com é comum em uma moto de menor porte, o NMax exige maior atenção. Automóveis e caminhões em alta velocidade abalam um pouco a pilotagem, porém em viagens curtas você não enfrentará problemas a bordo do NMax.

No uso cotidiano, o ponto forte dos scooters, a Yamaha NMax é pratica e agrada. Você vai passar a usá-la a todo instante, tamanha é a sua versatilidade. A posição de pilotar é confortável e ela oferece apoio para os pés em duas posições, sendo uma delas mais “esportiva”. Além disso, a facilidade com que a NMax passa mesmo por corredores apertados cativa qualquer interessado em adquirir esse scooter. O banco largo é suficiente para acomodar com conforto o piloto e garupa, mesmo que você tenha uma altura acima da media, como é o meu caso. Com meus 1,90 m, não tive dificuldade em pilotar a NMax.

Dois fatores que podemos destacar da NMax: o bom consumo na casa de 35 a 40 Km por litro, que, com um tanque de 6,6 litros, garante uma autonomia de quase 250 Km. Sem dúvida nenhuma esse é um atributo excelente para quem busca economia com agilidade na hora de se locomover por aí.

O segundo destaque vai para o espaço sob o banco. A princípio você pode achar que ali cabe apenas um capacete, mas foi possível até mesmo usar o compartimento para colocar algumas compras de supermercado sem problema. Aliás, você vai notar que cabe ali muito mais coisas do que se imagina. O espaço para acomodar objetos é de grande utilidade no NMax e na carenagem você ainda encontra práticos nichos para guardar objetos que precisam ficar mais a mão, como celular ou carteira de documentos e até mesmo uma garrafa de suco.

 
 
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
Yamaha NMax 2017
Yamaha NMax 2017
 
 

Freios

O sistema ABS é um item de série na NMax, ponto positivo que merece destaque. Ele oferece uma frenagem mais equilibrada e eficiente, principalmente em situações de emergência.

Suspensão

A suspensão sempre foi uma parte critica nos scooters mais acessíveis oferecidos até então, porém, no caso da N-Max, o garfo telescópio com 100 mm de curso na roda dianteira e a suspensão traseira do tipo “motor balança” com curso de 90 mm agradam. A Yamaha conseguiu um ótimo compromisso no acerto da moto, oferecendo uma boa calibração para o conjunto de suspensão.

Painel multifuncional

A instumentação da moto conta com tela LCD com iluminação por LED. O recurso anti-reflexo proporciona boa visibilidade tanto ao longo do dia como à noite. Bem completo, o painel da NMax traz informações como medidor de combustível e velocidade, relógio, indicadores de troca de óleo e troca da correia do sistema CVT e indicador de pilotagem econômica ECO.

Design

Sempre elogiado por onde passamos, a NMax agradou os mais diversos gostos. Suas linhas esportivas e rodas maiores com pneus 110/70-13 na dianteira e 130/70-13 na traseira conferem ao NMax o porte de um scooter maior. 

Garupa

A N-Max trás um banco bastante confortável. A leve inclinação em relação ao piloto confere boa visibilidade a frente, transmitindo uma sensação de segurança. Nota 8,5 nesse quesito. 

Ficha técnica – Yamaha NMax 160 ABS

Preço: R$ 11.690

Motor: monocilíndrico, 155,09 cm³, SOHC, 4 tempos, refrigeração líquida
Diâmetro e curso: 35,8 mm x 58,7 mm
Taxa de compressão: 10,5:1
Potência: 15,1 cv a 8.000 rpm (gasolina)
Torque: 1,46 kgfm a 6.000 rpm (gasolina)
Alimentação: injeção eletrônica

Transmissão: CVT

Sistema de Partida: elétrico

Chassi: Underbone
Suspensão dianteira: garfo telescópico com 100 mm de curso
Suspensão traseira: motor balança com 90 mm de curso

Freio dianteiro: a disco, com 230 mm de diâmetro
Freio traseiro: a disco, com de 230 mm de diâmetro

Pneu dianteiro: 110/70 aro 13”
Pneu traseiro: 130/70 aro 13”

Comprimento: 1,95 m
Largura: 74 cm
Altura: 1,11 m
Distância entre-eixos: 1,35 m
Distância mínima do solo: 13,5 cm
Altura do assento: 76,5 cm

Peso: 127 kg
Capacidade do Tanque: 6,6 litros 

 

José Luiz Lazzari |

Veja mais notícias da marca