A moda “vintage” está muito presente nos dias atuais, basta notar por aí a quantidade de barbearias que proliferam por várias cidades marcando o retorno até mesmo dos jovens mais descolados ao antigo hábito de cultivar sua barba acertada com o esmero de um profisional. É neste cenário que a Royal Enfield chega ao Brasil com suas motos de visual retrô, cheio de referências aos anos 1940, e que nós do MOTOO tivemos a oportunidade de avaliar a bordo da Classic 500.

E essa máquina traz todos os ingredientes para uma viagem no tempo. Com motor monocilindro de 499 cm³ refrigerado a ar, com potência de 27,2 cv a 5.000 rpm, a Classic 500 proporciona pilotagem divertida, prazerosa e confortável, mas é preciso tem paciência e ficar na casa dos 100 km/h. Acima disso uma certa vibração é sentida e passa incomodar o piloto . O ronco do motor, contudo, tem uma agradável sonoridade mais grave, o que reforça o estilo marcante da moto.

O sistema de suspensão é o tradicional garfo telescópico na dianteira, enquanto a roda traseira conta com dois amortecedores a gás que oferecem a possibilidade de 5 ajustes pré-definidos. Essa configuração mostrou-se confortável para rodar em nossas ruas esburacadas e até mesmo para encarar algumas irregularidade no asfalto das estradas. 

O conjunto de freios é composto por um sistema a disco na dianteira de 280 mm e a roda traseira conta com freio a tambor. Ele deixa um pouco a desejar no caso de uma frenagem de emergência, mas a marca confirma que suas motos deverão ser equipadas com freio a disco também na roda traseira, o que seguramente deverá melhorar a eficiência de frenagem.

Para o uso no dia a dia, a Classic 500 torna-se uma opção de mobilidade muito interessante e cheia de estilo. Ela trafega fácil pelos corredores e é rápida nas retomadas de velocidade, porém para manter a Classic 500 sempre “esperta” é necessário lidar com frequência com o câmbio, realizando algumas reduções nos momentos em que você busca mais desempenho. Como consequência, ao trabalhar com o motor em giros mais altos, a conta vem no consumo mais elevado. Durante nossa avaliação ele ficou entre 15 e 17 km/l.

O consumo na estrada, por sua vez, onde é possível trabalhar com marchas mais altas e diminuir a faixa de giro do motor, o consumo nos surpreendeu e conseguimos registrar média de 38 km/l. Equipada com um tanque de 13,5 litros, a Classic 500 consegue entregar nesse caso uma autonomia que gira em torno de ótimos 500 km. Para viagens sem pressa e de curtas distâncias, a Classic 500 vai bem, mas a vibração e a instabilidade provocada pelo vento devido a posição de pilotagem começa a cansar em deslocamentos muito longos.

Quanto ao visual, pode ter certeza que a Royal Enfield Classic 500 garante que você não vai passar despercebido. Olhares e comentários são os mais variados, indo desde um “excelente trabalho de restauração”, ou “parece que saiu da fábrica”, passando por “deve custar uma pequena fortuna” até “isto que é motocicleta!”. Enfim, a parte nostálgica fica muito marcada pelos olhares das pessoas, principalmente.

A versão testada aqui pelo MOTOO, a Classic 500, é encontrada nas cores bege, preta e azul, com preço a partir de R$ 19.900 ou R$ 20.900 se você optar pela versão com ABS, algo que recomendamos. Ainda na linha Classic, existem as variações com estilo militar, no caso a Battle Green, Squadron Blue e a Desert Storm, todas tabeladas em R$ 21.000 ou R$ 22.000 com ABS.

Já para quem gosta de um cromado, existe a opção da Classic Chrome, com preço sugerido de R$ 21.900 e que se destaca pelo estilo à la anos 50 com uma boa dose de elementos com cromo ao redor da carroceria. Os clientes poderão optar pela Classic Chrome nas cores preta, grafite e verde e o assento conta com revestimento de couro.

Além da linha Classic, você encontra na gama Royal Enfield as motos Continental GT, no estilo café racer a partir de R$ 23.000 nas cores vermelha, verde e preta (ou R$ 24.500 com ABS), além da Bullet, modelo mais acessível da marca por aqui partindo de R$ 18.900 nas cores verde, preta e cinza.

De tudo que vimos e sentimos, a Royal Enfield é uma marca que deverá ter um lugar de destaque no mercado brasileiro dentro do segmento no qual pretende atual, mas vai ter que garantir uma assistência técnica de qualidade e preços competitivos. Acreditamos que, por ser uma das marcas que mais vende motos no mundo e conta com a reputação de oferecer ao mundo a moto mais antiga em produção até hoje, seguramente ela vai cumprir o prometido.

Banco do Garupa

Nota 7,5 – A Alessandra, nossa “garupeira” oficial, aprovou a Classic 500. A moto mostrou-se confortável e a posição para acompanhar o piloto é boa, mas com restrições. O assento é pequeno e a vibração e sentida e depois de algum tempo começa a incomodar.

 
 
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
Royal Enfield Classic 2017
Royal Enfield Classic 2017
 
 

Ficha técnica – Royal Enfield Classic 500 Regular

Preço: R$ 19.900 (R$ 20.900 com ABS)

Motor: monocilíndrico, 499 cm³, 4 tempos, refrigeração a ar
Diâmetro e curso: 84 mm x 90 mm
Taxa de compressão: 8,5:1
Potência: 27,2 cv a 5.250 rpm (gasolina) 
Torque: 4,21 kgfm a 4.000 rpm (gasolina)
Alimentação: injeção eletrônica

Transmissão: 5 marchas

Sistema de Partida: elétrico

Chassi: quadro com estrutura única
Suspensão dianteira: garfo telescópico com 130 mm de curso
Suspensão traseira: amortecedores a gás com 5 opções de ajuste

Comprimento: 2,14 m
Largura: 79 cm 
Altura: 1,09 m
Distância entre-eixos: 1,36 m
Distância mínima do solo: 13,5 cm

Peso: 190 kg (com 90% do combustível e lubrificante)
Capacidade do Tanque: 13,5 litros 

 

José Luiz Lazzari |

Veja mais notícias da marca