Breve no Brasil, Meteor 350 mostra pontos fracos nos EUA

Novidade da Royal Enfield agradou os norte-americanos pela facilidade de condução, mas faltam freios e potência
Royal Enfield Meteor 350 já foi apresentada na Índia

Royal Enfield Meteor 350 já foi apresentada na Índia | Imagem: Divulgação

Em outubro do ano passado, quando a Royal Enfield lançou a Meteor 350 na Índia, a moto já parecia destinada ao sucesso. Ela acumulou 10.000 vendas em pouco tempo e já foi eleita a moto do ano no mercado indiano. A Meteor já está confirmada para chegar ao Brasil em 2021, sendo que o modelo já foi flagrado no Brasil.

Agora, a novidade da Royal Enfield começou a ser vendida no disputado mercado norte-americano, onde tem preços variando entre US$ 4.399 (R$ 24,5 mil) e  US$ 4.599 (R$ 25,6 mil). Por lá, o site Ride Apart já teve a oportunidade de ter um primeiro contato com a moto e, apesar de exceder as expectativas em alguns aspectos, deixou a desejar em outros.

O que a Royal Enfield Meteor 350 traz de série?

Royal Enfield Meteor 350 Fireball
Royal Enfield Meteor 350 Fireball
Imagem: Divulgação

A novidade da marca indiana é oferecida em três configurações: Fireball, Stellar e Supernova. Todas trazem de série freios ABS e o sistema de navegação Tipper. Trata-se de uma pequena tela digital ao lado do velocímetro que projeta instruções do GPS, sendo associado a uma ligação por Bluetooth que conecta aplicativos como o Google Maps e um proprietário da Royal Enfield.

Royal Enfield Meteor 350
Royal Enfield Meteor 350
Imagem: Divulgação

A nova Royal Enfield Meteor conta com um tanque de 15 litros, suspensão dianteira com garfo telescópico de 41 mm de diâmetro e 130 mm de curso, freios a disco nas duas rodas, suspensão traseira bi amortecida com regulagem de pré-carga, rodas de liga leve com 19 polegadas de diâmetro na frente e 17 polegadas atrás, e, respectivamente, pneus de medidas 100/90 19 e 140/70 17, ambos sem câmara.

O propulsor que equipa a novidade tem arrefecimento a ar e a óleo. O novo motor tem 349 cm³ de capacidade, mantendo-se como monocilíndrico e fornecendo 20,2 cv de potência a 6.100 rpm e 2,7 kgfm de torque a 4.000 rpm. Outra novidade é o sistema de comando de válvulas simples no cabeçote acionado por corrente. O câmbio tem cinco velocidades e a transmissão final é feita por corrente.

A Meteor Fireball traz componentes escurecidos, tanque de combustível de uma cor, adesivos, aletas de resfriamento do motor usinadas e aro de roda colorido. A Stellar adiciona componentes da cor do tanque, emblemas premium, elementos cromados e um encosto para o garupa. Por último, a Supernova traz ainda rodas de liga leve usinadas, estofamento premium dos bancos, parabrisa e piscas cromados.

Royal Enfield Meteor 350
Royal Enfield Meteor 350
Imagem: Divulgação

O que os norte-americanos acharam da Meteor 350?

Royal Enfield Meteor 350 Stellar
Royal Enfield Meteor 350 Stellar
Imagem: Divulgação

Como dito, os colegas dos EUA que andaram na moto tiveram impressões mistas a respeito da moto mais barata da Royal Enfield naquele mercado, dizendo que ela é melhor que o esperado em alguns aspectos, mas ficou devendo em outros. Começando pelos elogios, o visual recebeu a aprovação dos jornalistas de lá, que o julgaram muito condizente com a proposta da moto.

O acabamento também foi descrito como típico do preço da moto, sem falhas evidentes. Em termos de ergonomia, a Meteor 350 se mostrou bem acertada, acomodando com conforto pilotos de até 1,80 m. A alavanca de câmbio, que pode ser acionada tanto pelas pontas dos dedos quanto pelo calcanhar, porém, exigiu um pouco de prática.

Outro ponto muito elogiado pelos norte-americanos foi a ciclística. De acordo com eles, a moto passa confiança e equilíbrio mesmo em curvas fechadas, mostrando-se ágil nas mudanças de direção. Nesse sentido, o único porém ficou para o fato de a moto transmitir pancadas secas ao piloto ao passar por buracos muito grandes, principalmente a suspensão traseira. No geral, foi descrita como uma ótima moto para quem está começando a pilotar.

Entre as críticas, foi citado que os freios da Royal Enfield Meteor 350 se mostraram fracos, apesar da pouca potência da moto. Segundo quem andou, o acionamento do freio dianteiro demora para responder. Outro ponto que desagradou bastante os norte-americanos foi o desempenho. Enquanto o monocilíndrico mostra um ronco agradável e entrega bastante força em baixas rotações, tem pouco fôlego em altos giros e, na estrada, falta potência para ultrapassagens. A velocidade máxima de apenas 120 km/h também não agradou.

Sobre o sistema de navegação Tripper, a publicação recomendou cautela à Royal Enfield. Simples, não mostra nomes de ruas nem alertas de obstáculos na pista. Além disso, a conexão do aparelho celular com com a tela se interrompeu por diversas vezes. A marca ainda pretende trazê-lo de série em mais motos, como a Himalayan.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!