Falta de magnésio pode afetar produção de motocicletas

Produção, concentrada na China, atingiu níveis baixos por conta dos custos do carvão. Material é utilizado em vários componentes, entre motores, chassis e rodas
A Ducati 1199 Superleggera usou magnésio de forma massiva anos atrás

A Ducati 1199 Superleggera usou magnésio de forma massiva anos atrás | Imagem: Divulgação

A indústria automobilística, em especial a de motocicletas, pode estar diante de mais um problema, a escassez de magnésio, metal utilizado em vários componentes, de rodas a motores e chassis.

O alerta veio do site britânico Bennetts, especializado em seguros. Segundo o colunista Ben Purvis, o magnésio é produzido sobretudo na China (85% de participação) que passou recentemente por uma queda na produção causada pelo aumento nos preços do carvão.

Por conta disso, o governo da província de Shaanxi, que responde por 60% da produção do material, ordenou que as fundições reduzissem o trabalho pela metade em setembro.

O resultado foi que o preço da tonelada de magnésio, que era de cerca de US$ 2.300 nos últimos anos, saltasse para US$ 9.400 há três meses. Agora, a cotação caiu, mas permanece elevada, em US$ 6.200 por tonelada.

Normalmente, o magnésio, por seu peso leve e resistência, é associado a produtos premium, porém, ele também é usado em ligas de alumínio e por isso acaba refletindo em modelos menos sofisticados também.

O soluço na produção do magnésio acabou sendo motivado por um fator político, ao contrário da escassez de chips, que afetava a produção mundial de veículos. É que a China comprava carvão da Austrália, país que defendeu uma investigação internacional sobre o surgimento do coronavírus e recentemente encomendou submarinos nucleares dos EUA.

Por conta disso, o clima esquentou e os chineses deixaram de importar carvão australiano, causando o desabastecimento. Apesar disso, a produção de magnésio voltou a subir recentemente na província, o que pode reduzir o impacto da nova crise.