Fan: a melhor opção para a Honda CG 160?

Versão intermediária entre a Start e a Titan não é a mais cara, mas já traz boa parte dos equipamentos que você precisa
Honda CG 160 2020

Honda CG 160 2020 | Imagem: Thiago Moreno

A Honda CG 160, eterna líder de mercado, vem puxando a recuperação das vendas de motocicletas novas no mercado brasileiro durante a pandemia. Em agosto, o modelo já comercializou praticamente 30 mil unidades, mais do que a média registrada durante 2019. Hoje oferecida em três versões: Start, Fan e Titan, o modelo traz aquilo que o mercado busca. Se não, suas vendas não seriam tão altas.

Porém, a Honda usou bem suas cartas ao dividir a linha da CG em três opções. Quem quer apenas a confiabilidade e o desempenho, tem a Start, que sai por R$ 9.630. Quem quer o máximo de equipamentos e visual, pode ter a Titan, de R$ 12.000. No entanto, a Fan, que custa R$ 10.810, pode ser a melhor opção entre as três.

Nesta configuração, ela acrescenta à Start as rodas de liga-leve, freio a disco dianteiro, tanque de combustível de maior capacidade, motor flex (a Start roda apenas com gasolina), opções de pintura bicolor com aletas decorativas no tanque e painel com conta-giros. Em relação à Titan, a Fan fica devendo apenas as opções de cores e grafismos mais trabalhados exclusivos da versão, alças do garupa de alumínio, tampas laterais do motor pintadas de preto e painel digital com iluminação Black Out (fundo azul de maior contraste) com computador de bordo. As três configurações trazem sistema de freios combinados, obrigatórios por lei.

Honda CG 160 2020
Honda CG 160 2020
Imagem: Thiago Moreno


Além de cores e equipamentos, as três versões da Honda CG 160 são praticamente idênticas, exceto pelo tanque menor e o motor monocombustível da Start. O propulsor em si é o mesmo. São 162,7 cm³ de capacidade com comando simples no cabeçote para acionar as duas válvulas do motor. O arrefecimento é a ar. No caso da Fan e da Titan, ele é flex e oferece até 15,1 cv de potência e 1,54 kgfm de torque quando abastecido com etanol (14,9 kgfm e 1,40 kgfm da Start a gasolina). 

Com o motor flexível, o tanque de combustível tem 16,1 litros de capacidade, contra 14,6 litros na Start. Para todas, o câmbio mecânico de cinco velocidades com transmissão final por corrente é comum a todas as versões. No caso da Fan avaliada, a Honda declara um peso a seco, sem combustível ou fluídos, de 116 kg.

Apesar de todas as versões trazerem rodas de 18 polegadas na dianteira e na traseira, a Fan já traz peças de liga-leve. Além disso, os pneus sempre contam com a medida 80/100 (frente) e 90/90 (trás). Na Start, são unidades Levorin Predator, enquanto a Fan já traz pneus fornecidos pela Pirelli, do modelo City Dragon.

Honda CG 160 2020
Honda CG 160 2020
Imagem: Thiago Moreno


Como anda a Honda CG 160 Fan?

Logo ao se montar na CG 160 Fan, já dá para perceber o motivo de ela ser a moto mais comum entre os profissionais motofretistas. O assento tem 790 mm de altura em relação ao solo. Com isso, é fácil montar e desmontar na moto. Com 1,72 m de altura, o piloto consegue manter um pé bem plantado no chão. Os dois ao mesmo tempo já fica um pouco menos seguro.

O posicionamento de guidão e pedaleiras fornece uma boa postura, ereta e confortável. Ideal para longas horas de trabalho. Em ergonomia, a CG Fan vai bem. O único contraponto fica para o posicionamento dos botões de buzina e piscas. Na maioria das motos, a primeira fica em posição central, com a segunda logo abaixo. Nos modelos da Honda, isso se inverte e leva-se alguns dias para se acostumar.

O acionamento da embreagem é leve e a resposta é progressiva, fácil de controlar as arrancadas da moto. Falando em saídas, o motor 160 da Honda surpreende pelo desempenho, ainda mais se considerando a cilindrada. Até os 80 km/h, a moto parte com fôlego de sobra. O pico de torque ocorre em torno de 6.000 rpm e esse é o “ponto feliz” do propulsor. Trocando-se de marcha entre 6.000 rpm e 7.000 extrai-se o melhor do motor.

Com o pico de potência acontecendo a 8.000 rpm, levar o pequeno propulsor ao limite de rotações - pouco mais de 9.000 rpm - não faz muito sentido. Após o pico, o motor perde fôlego e não responde tão vigorosamente. Na outra ponta do espectro, encontra-se um pouco de resistência do motor em ganhar rotação apenas baixo de 2.500 rpm, faixa em que raramente a moto se encontra graças ao bom escalonamento do câmbio.

Honda CG 160 2020
Honda CG 160 2020
Imagem: Thiago Moreno


Em suma, andar na cidade com a CG 160 Fan é bem tranquilo, o propulsor se mostra bem elástico e o bom torque em médias rotações faz com que não sejam exigidas trocas de marcha constantes. Mesmo sem reduzir, as respostas ao acelerador sempre inspiram confiança para ultrapassagens ou saídas.

Falando em uso urbano, é neste ambiente que a moto mais vendida do Brasil se destaca. Leve e ágil, faz pouco caso das constantes manobras e arrancadas nos corredores dos grandes centros. A dica aqui fica apenas para os espelhos, largos e pontudos. São eles que exigem o maior cuidado na hora de se passar entre carros. Não à toa, é um dos itens mais trocados pelos profissionais que buscam ainda mais agilidade no trânsito.

Mas nada disso seria útil se a moto cansasse o piloto mesmo em trechos curtos. Para avaliar essa questão, rodamos 140 km ininterruptos pelos grandes corredores da capital paulista em horário de pico, incluindo um trecho mais longo entre o Aeroporto de Guarulhos (SP) e o Autódromo de Interlagos. No total, foram cerca de duas horas sem colocar o pé no chão e mesmo assim, nada de dores nas pernas, costas ou braço. Se você vai passar o dia em cima de uma CG, pode ficar tranquilo quanto a isso.

No pequeno trecho rodoviário próximo ao aeroporto, foi possível notar um dos poucos pontos em que a CG 160 não se destaca. A moto até chega aos 120 km/h regulamentares da Rodovia Ayrton Senna, mas o faz meio que “a contragosto”. O conta-giros já passa das 8.000 rpm e o acelerador precisa ficar próximo do limite do acionamento para manter o ritmo. Ou seja, sem folgas para ultrapassagens.

Honda CG 160 2020
Honda CG 160 2020
Imagem: Thiago Moreno


Claro que esse é o tipo de coisa mais que aguardada para uma motocicleta pensada no uso urbano. No entanto, até cerca de 100 km/h, a CG Fan vai bem, o que é positivo para uma moto pequena. Mas vale ficar atento aos freios. Sem ABS, seu acionamento exige mais esforço para dar início à parada. Se o manete respondesse rápido, o risco de se travar a roda dianteira seria maior.

A moto conta com o sistema de freios combinados, o Combi Brake na linguagem da Honda. Nele, mesmo acionando-se apenas o pedal de freio traseiro, o dianteiro recebe parte da força também. Era possível que isso interferisse nas manobras em velocidades baixas, usando-se apenas o freio traseiro para ajudar a manter o equilíbrio, mas o acionamento da roda dianteira só é percebido mesmo com aplicações maiores de força ao pedal.

Em nome de uma estabilidade melhor, o conjunto de suspensão da CG Fan está mais para um acerto firme. Na maioria dos buracos, ela vai bem. Nos mais graves, onde o amortecedor chega próximo do fim de curso, os trancos começam a se tornar perceptíveis tanto no guidão quanto no banco.

Honda CG 160 2020
Honda CG 160 2020
Imagem: Thiago Moreno


Conclusão

Com uma garantia de três anos, uma ampla rede concessionários e um nome que a precede, a Honda CG 160 nem precisava cumprir muito bem todas as tarefas do dia-a-dia nos grandes centros, mas brilha no ambiente urbano. Na versão Fan, tem-se todos os equipamentos necessários para tornar a condução mais prática e segura, além de elementos visuais diferenciados, por um pouco a mais de investimento em relação à Start e sem se gastar mais em elementos que não vão interferir na condução da moto.

De maneira simples, o pulo da Start para a Fan se justifica. Da Fan para a Titan, nem tanto, ao menos que você faça questão dos elementos visuais exclusivos. Além disso, a Fan está equiparada em equipamentos e conforto na comparação com a sua maior rival, a Yamaha Factor 150, mas leva a melhor em preço e desempenho. Assim fica fácil entender seu sucesso e o motivo de a Fan, hoje, ser a melhor opção da linha CG 160 da Honda.

Ficha técnica

Motor: OHC, Monocilíndrico 4 tempos, arrefecido a ar.
Cilindrada: 162,7 cc
Potência máxima: 14,9 cv a 8.000 rpm (Gasolina) / 15,1 cv a 8.000 rpm (Etanol)
Torque máximo: 1,40 kgf.m a 6.000 rpm (Gasolina) / 1,54 kgf.m a 6.000 rpm (Etanol)
Transmissão: 5 velocidades
Sistema de partida: Elétrico
Diâmetro x Curso: 57,3 x 63,0 mm
Relação de Compressão: 9,5 : 1
Sistema de Alimentação: Injeção Eletrônica PGM FI
Combustível: Gasolina e/ou Etanol

Chassis: Diamond Frame
Suspensão dianteira/Curso: Garfo telescópico / 135 mm
Suspensão traseira/Curso: Dois amortecedores / 106 mm
Freio dianteiro/Diâmetro: A disco / 240 mm
Freio traseiro/Diâmetro: A tambor / 130 mm
Pneu dianteiro: 80/100 -18
Pneu traseiro: 100/80 -18

Dimensões: 2032 (comprimento) x 739 mm (largura) x 1087 mm (altura)
Distância entre-eixos: 1315 mm
Distância mínima do solo: 196 mm
Altura do assento: 790 mm
Peso seco: 117 kg

Tanque de combustível/Reserva: 16,1 litros
Óleo do motor: 1,2 litro

Ignição: Eletrônica
Bateria: 12V - 4 Ah
Farol: 35/35W

 
Assine a newsletter semanal do AUTOO!

Tudo sobre a Honda CG 160

Honda CG 160
Tags