Moto lendária é exposta durante comemoração da Ducati

A 916 de Massimo Tambirini fará parte do museu da Ducati, montado para os 25 anos da marca
916 de Massimo Tamburini

| Imagem: Divulgação

Parte da comemoração dos 25 anos da Ducati, além do Museu com diversas motocicletas da marca, é a adição de um modelo icônico ao local que conta a história da marca: a 916 de Massimo Tamburini.

Esta exposição, possibilitada pela preciosa colaboração do Museu Ducati com Simona Tamburini, a filha de Massimo e o dono da moto, permite revelar alguns segredos por detrás de uma moto lendária. A 916 em exibição é um dos três protótipos dos quais Tamburini desenvolveu até sua industrialização em 1994.

Massimo Tamburini - que já havia desenvolvido a Paso 750 para a Ducati - desenvolveu com a 916 uma moto que foi uma verdadeira revolução no mundo das motos. A aerodinâmica e chassis da 916 foram desenvolvidos exclusivamente nas estradas de Rimini e nos circuitos de Misano e Mugello. Por seis anos, Tamburini estudou meticulosamente cada detalhe, sem nunca usar o túnel de vento.

A moto no museu apresenta detalhes mais semelhantes aos da série 916 SP, o modelo de maior desempenho da série 916. A moto é quase totalmente feita de fibra de vidro, enquanto os transportadores de ar, pára-lama dianteiro, caixa de ar, ponteiras de escape e porta-matrículas são feitos de fibra de carbono. Além disso, a moto é embelezada com componentes de corrida, como os aros de magnésio de cinco raios e o braço oscilante de face única. Digno de nota é a ausência de indicadores de viragem e um odômetro: a única instrumentação é um tacômetro e um indicador de temperatura da água.

A moto está em exposição no Museu Ducati até 15 de janeiro de 2020.  

 
 
916 de Massimo Tamburini
 
916 de Massimo Tamburini
916 de Massimo Tamburini
916 de Massimo Tamburini
 
916 de Massimo Tamburini
916 de Massimo Tamburini
 
 
Assine a newsletter semanal do AUTOO!