Que a Kawasaki Ninja H2 é uma supermoto ninguém parece discordar, afinal, como se não bastasse, seu motor de 998 cc sobrealimentado ainda ganhou um reforço de mais 30 cv na linha 2019 e agora passa a entregar brutais 230 cv.

Mas uma das novidades um tanto quanto curiosa da superesportiva fica bem ao alcance dos olhos.

Para a linha 2019 da H2, a Kawasaki tratou de aplicar em uma de suas motos topo de linha uma nova pintura “regenerativa”, a qual é capaz de, sozinha, eliminar algumas marcas de riscos que possam aparecer na pintura. A tecnologia é chamada de Highly Durable Paint e, segundo a Kawasaki, permite recuperar as áreas afetadas da pintura por riscos em apenas 10 a 20 minutos em temperaturas de 26º a 30º.

A fabricante japonesa explica que o composto conta com uma camada especial de finalização (top coat) que faz com que as partes desgastadas da pintura por ação de algum elemento externo possam ser reparadas por meio de uma dilatação das áreas ao redor da parte “machucada” da pintura.

A pintura “regenerativa” não é algo tão inédito assim, uma vez que no mundo dos carros algumas marcas como Mercedes-Benz, Toyota e Nissan chegaram a oferecer uma cobertura semelhante para alguns modelos. Entre as motos, contudo, a Kawasaki clama para si a primeira aplicação no segmento em uma motocicleta produzida em série.

Hoje em dia a Kawasaki oferece a Ninja H2 SX SE no Brasil, a qual tem preço sugerido de R$ 129.990.

 
 
Kawasaki Ninja H2 SX SE 2019
 
Kawasaki Ninja H2 SX SE 2019
Kawasaki Ninja H2 SX SE 2019
 
 
César Tizo

 

César Tizo |