O trabalho de atualização realizado no modelo 2017 permitiu que, em linhas gerais, as Fireblade continuassem competitivas. Por isso as novas Honda CBR 1000RR Fireblade e CBR 1000RR Fireblade SP possuem um conjunto mais leve, um motor mais potente e elementos como as novas suspensões Showa 43mm Big Piston Fork e, na CBR 1000RR Fireblade SP, as mais sofisticadas Öhlins semi-ativas elevaram o patamar destas superesportivas.

O sistema de controle eletrônico da Fireblade oferece vários recursos ativos. Um deles, relacionado ao ABS, permite mitigar a tendência da roda traseira a perder contato com o solo em caso de frenagens fortes. A informação de aceleração de dois eixos e a ajuda da Unidade de Medição Inercial (IMU) através de sensores de velocidade na roda dianteira e traseira faz com que o modulador do ABS ajuste a força de frenagem de acordo com o ângulo de inclinação. Tanto a CBR 1000RR Fireblade quanto a CBR 1000RR Fireblade SP receberam uma alteração na versão 2019 que otimiza a ação do ABS em frenagens, reduzindo sua atuação e melhorando estabilidade.

Como nas RC213V-S, a CBR 1000RR Fireblade se vale de painel de cristal líquido TFT colorido para transmitir informações ao motociclista. São três os modos do painel: Street, Circuit e Mechanic - cada um com as informações mais relevantes para cada função específica.

Em Street os modos de pilotagem (1-3 e USER 1-2) mais as configurações de cada parâmetro - P (potência), T (HSTC - controle de tração) e EB (Freio de Motor Selecionável). O modo Circuit acrescenta, além do modo Street, tempo, número de voltas e diferença da melhor volta. O Mechanic exibe o tacômetro digital, a marcha escolhida, o ângulo de melhor aderência, a temperatura do líquido de arrefecimento e a voltagem da bateria.

Quanto aos modos de pilotagem pré-definidos, eles são: Track (1), Winding (2) e Street (3) que oferecem diferentes combinações do HSTC, potência do motor e nível de freio motor. O modo de pilotagem 1 (Track) dá potência total, com resposta linear do acelerador, baixa intervenção HSTC e EB. O modo 2 (Winding) controla a saída da primeira para a terceira marcha, com um aumento de potência bastante moderado, HSTC médio e EB forte. O modo 3 (Street) controla a saída da primeira à quarta marcha, com aumento de potência moderado, HSTC alto e EB forte.

Nos dois modos USER, todos os parâmetros podem ser combinados e ajustados livremente. Os modos de pilotagem e o HSTC podem ser alterados durante a condução com o interruptor no punho esquerdo.

O motor tetracilíndrico que equipa as Fireblades foi alvo de uma completa reformulação para 2018, trabalho que resultou em aumento de potência, torque e dimensões mais compactas. Um destaque do motor de exatos 999,8 cm3 é a potência máxima de 191,7 cv a 13.000 rpm, que é acompanhado pelo exuberante torque de 11,82 kgf.m a 11.000 rpm, números que associados ao peso a seco mínimo – 183 kg para a Fireblade e 182 kg para a versão SP. Tal diferença pode ser atribuída ao tanque em titânio que equipa a SP.

A Honda CBR 1000RR Fireblade e a CBR 1000RR Fireblade SP tem preços público sugeridos de R$ 71.390,00 e R$ 81.590,00
 

Redação

Motoo

Redação |