Teste: Royal Enfield Classic 500 2019

Avaliamos a motocicleta que concilia tradição com a tecnologia dos dias atuais
Royal Enfield Classic 2017

Royal Enfield Classic 2017 | Imagem: Divulgação

Antes de iniciarmos nossa avaliação da Classic 500 é interessante conhecermos um pouco da história da marca Royal Enfield. A empresa conta com a mais longa trajetória das marcas de motocicletas globais sem nunca ter interrompido sua produção. O início das atividades da marca ocorreu em 1891 quando a Cycle Company Townsend, de Redditch, no Reino Unido, passou a fornecer peças de máquinas para a Royal Enfield Small Arms Factory, uma indústria militar fabricante de armas e famosa por criar algumas das mais emblemáticas armas do mundo nos séculos XIX e XX e responsável por muitos avanços industriais, sendo considerada o berço para da produção em massa desses artefatos.

Na ocasião, a empresa é rebatizada de Enfield Manufacturing Company Limited, e se torna Royal Enfield. Neste momento registra a marca "Made like a gun" ou "Feita como uma arma", em inglês, que é o mote da marca utilizado até os dias atuais. A sua primeira moto só é produzida em 1901, no Reino Unido, e, em 1956, começa a produção na Índia. As primeiras Bullets, que começam a ser fabricadas sob licença, chegavam desmontadas no país asiático e eram montadas na fábrica de Tiruvottiyur. Finalmente, em 1970, as atividades se encerram no Reino Unido e toda a produção ficou a cargo da unidade na Índia. No mercado brasileiro, a marca estreou em 2017.

Historia contada, vamos partir para nossa avaliação da Classic 500. Vale a pena citar que já tivemos a oportunidade de avaliar algumas das primeiras unidades que vieram para o Brasil e pudemos perceber que a moto evoluiu em vários pontos na linha 2019, principalmente na questão da segurança, mas também em ganhos no conforto ao rodar, como vocês poderão observar a seguir.

O motor é o mesmo, um monocilíndrico de 499 cc refrigerado a ar, que entrega potência máxima de 27,2 cv a 5.000 rpm e visual com a aparência dos anos 1950. Ele proporciona uma pilotagem divertida, prazerosa e confortável, mas é preciso ter paciência e permanecer na casa dos 100 km/h, acima desta velocidade a vibração é contínua.

Para o uso no dia a dia a Classic 500 é uma boa e singular opção de mobilidade e não vai deixar você passar despercebido. Ela trafega fácil pelos corredores, as mudanças de direção são rápidas e ágeis, aceleração e retomada de velocidade são firmes e com potência, mas o motor exige muitas trocas de marchas, fato que o obriga trabalhar com giro alto. Com isso, o consumo apurado por nós ficou entre 15 a 17 km/l. Na estrada a Bullet 500 surpreendeu, pois, com uma tocada mais leve, chegamos a registrar até 35 km/l. O tanque de 13,5 litros garante boa autonomia, chegando a quase 400 km. O ronco do motor com seu som grave reforça o estilo vintage.

O sistema de suspensão também segue a receita tradicional, com garfo telescópico na dianteira e 2 amortecedores a gás na traseira com 5 ajustes na pré-carga. A combinação mantém as mesmas características dos modelos anteriores, sendo confortável e com boa desenvoltura ao enfrentar obstáculos como lombadas, valetas e buracos, imperfeições comuns de serem encontradas nas ruas da cidade.

O conjunto de freios agora conta com sistema ABS, sendo que o dianteiro é baseado em um disco de 280 mm com pinça de 2 pistões e o traseiro conta com um disco de 240 mm com pinça de 1 pistão. O que foi prometido pela marca foi entregue e, com isso, a Classic 500 ganhou consideravelmente em segurança, podendo ser pilotada sem susto.

O destaque da Classic 500 fica com o visual. Olhares e comentários são os mais variados e vão desde um“excelente trabalho de restauração”, “parece que saiu da fábrica”, “deve custar uma pequena fortuna”, além do “isso que é motocicleta!”. Enfim, é nítido como a parte nostálgica segue muito marcada na mente das pessoas. O preço sugerido da Classic 500 é de R$ 22.900 considerando as versões Classic Squadron, Classic Desert Storm e Classic Battle Green, todas já com ABS.

Banco do Garupa: nota 7,5
“Nada mudou. Tem um certo conforto, mas ficam algumas restrições. O banco é pequeno e a vibração é sentida. Depois de algum tempo a viagem pode se tornar cansativa”, opinião de Alessandra B. Lazzari.

Conclusão
A Classic 500 é uma moto com estilo e muito charme, destinada a um público específico e bastante fiel. A vibração incomoda? Sim, incomoda, mas junto com ela encontramos muitos outros atrativos na Royal Enfield Classic 500 e esse comportamento da moto passa até a fazer parte do contexto.

Ficha Técnica

Motor: monocilíndrico, 4 tempos, ignição por centelha, refrigerado a ar, 499 cc, 27,2 cv a 5.250 rpm, 4,21 kgfm a 4.000 rpm
Chassi: barra diagonal única, usando o motor como membro tensionado
Suspensão dianteira: Telescópica, garfos de 35 mm, percurso de 130 mm
Suspensão traseira: amortecedores duplos carregados a gás com pré-carga ajustável de 5 marchas, percursos de 80 mm
Pneu dianteiro: 90/90-19
Pneu traseiro: 110/80-18
Freio dianteiro com ABS: disco de 280 mm, pinça de 2 pistões
Freio traseiro com ABS: disco de 240 mm, pinça de 1 pistão
Comprimento: 2.140 mm
Largura: 790 mm
Altura: 1090 mm
Capacidade de combustível: 13,5 l
Peso em ordem de marcha: 194 kg
Distância ao solo: 135 mm
Bateria: 12 volts

 

Royal Enfield Classic
Royal Enfield Classic
Imagem: Divulgação

 

Assine a newsletter semanal do AUTOO!

Tudo sobre a Royal Enfield Bullet

Royal Enfield Bullet