Vyrus Alyen 988: como fazer uma Ducati ainda mais radical

Customizadora italiana usa modelo da fabricante conterrânea para produzir uma moto feita a mão com design futurista
Vyrus Alyen 988

Vyrus Alyen 988 | Imagem: Divulgação

Não são todos que vão conhecer a customizadora italiana Vyrus, mas a oficina é especializada na produção quase que artesanal de motocicletas exclusivas. Dessa vez, os italianos foram além e criaram uma moto para lá de futurista: a Alyen 988. Para movimentar a moto, a Vyrus optou por utilizar um propulsor da Ducati.

Começando pelo visual, fica claro o uso extensivo e intencional de fibra de carbono exposta em toda a motocicleta. Seus ângulos são bem fortes e marcados, enquanto o maior “peso” visual fica na dianteira, mais volumosa. A traseira é mais simplificada, mas é possível ver que o assento do piloto é do tipo flutuante, enquanto o para-lama traseiro é montado logo abaixo, só que não é apenas um para-lama. Na realidade, são as saídas de escape.

Uma das características mais interessantes, no entanto, é o uso de uma solução pouco convencional para a suspensão dianteira. No lugar de bengalas telescópicas tradicionais, a Vyrus usou uma espécie de balança dianteira, fixada na porção inferior do chassi. É um método complexo e não visto em motocicletas produzidas em larga escala. A também italiana Bimota lançou mão desse expediente na linha Tesi.

Indo para o coração da moto, a Alyen 988 utiliza um propulsor de origem Ducati. Trata-se de um bicilíndrico em L com 1.285 cm³ de capacidade. Com arrefecimento a líquido e taxa de compressão de 11,3:1, o motor consegue entregar até 205 cv de potência máxima, sendo que o pico de força ocorre em 10.500 rpm.

Vyrus Alyen 988
Vyrus Alyen 988
Imagem: Divulgação

Assine a newsletter semanal do AUTOO!