PCX ou NMax: o que cada uma traz à batalha dos scooters?

Segmento em crescimento ainda é liderado pelo modelo da Honda. Opção da Yamaha, porém, também é competitiva
Honda PCX 2020

Honda PCX 2020 | Imagem: Divulgação

Considerando a venda de scooters no Brasil no acumulado do primeiro semestre do ano, a Honda continua sendo líder com o modelo PCX. Ele tem quatro versões disponíveis, sendo que a primeira não traz freios ABS. Enquanto o segundo lugar é ocupado pelo Honda Elite 125, a terceira colocação é do Yamaha NMax 160, o principal rival do PCX.

Veja o ranking dos scooters mais vendidos de 2020 até agora

Antes de fazer uma escolha, é importante saber o que cada um traz em termos de mecânica e equipamentos. Enquanto o Yamaha NMax 160 é oferecido em versão única, optamos por trazer a configuração mais parelha em preço do rival da Honda, a versão PCX ABS. Assim, ambos oferecem freios ABS de série.

Preços (sem frete):
Honda PCX ABS: R$ 13.850
Yamaha NMax 160: R$ 13.590

Mecânica:
Honda PCX ABS
Motor: monocilíndrico, OHC 2 válvulas, arrefecimento a líquido
Cilindrada: 149,3 cm³
Potência: 13,2 cv
Torque: 1,38 kgfm
Alimentação: injeção eletrônica
Partida: elétrica
Câmbio: automático CVT
Tanque: 8 litros
Peso a seco: 126 kg

Yamaha NMax 160
Motor: monocilíndrico, OHC, 4 válvulas com comando variável, arrefecimento a líquido
Cilindrada: 155 cm³
Potência: 15,1 cv
Torque: 1,5 kgfm
Alimentação: injeção eletrônica
Partida: elétrica
Câmbio: automático CVT
Tanque: 8 litros
Peso a seco: 127kg

Equipamentos de série

Honda PCX ABS: partida elétrica, rodas de liga leve de 14 polegadas, painel de instrumentos digital, freios a disco na dianteira e na traseira (220 mm), ABS, start/stop (Idling Stop), trip A e B, relógio, marcador de combustível, marcador de consumo, tomada 12V no escudo, iluminação total por LED e chave presencial.

Yamaha NMax 160: partida elétrica, rodas de liga leve de 13 polegadas, painel de instrumentos digital, freios a disco na dianteira e na traseira (230mm), ABS, trip A e B, relógio, marcador de combustível, marcador de consumo iluminação por LEDs (exceto piscas).

Suspensão
Honda PCX ABS
Dianteira: garfo telescópico, 100 mm de curso
Traseira: duplo amortecedor, 100 mm de curso
Pneus: 100/80 R14 (frente) / 120/70 R14 (traseira)

Yamaha NMax 160
Dianteira: garfo telescópico, 100 mm de curso
Traseira: duplo amortecedor, 86 mm de curso
Pneus: 110/70 R13 (frente) / 130/70 R13 (traseira)

Garantia
Honda PCX ABS: 3 anos
Yamaha NMax 160: 4 anos

Vendas (até junho de 2020)
Honda PCX ABS: 11.421 unidades
Yamaha NMax 160: 5.451 unidades

Conclusão

Enquanto os preços de Honda PCX ABS e Yamaha NMax 160 são similares, os dois scooters mostram as respectivas escolhas das montadoras. O primeiro optou por uma lista mais farta de equipamentos de tecnologia e conveniência, evidenciado pelos diferenciais de iluminação completa de LED, tomada 12V, start/stop e chave presencial. As rodas maiores, de 14 polegadas e a suspensão com um pouco mais de curso no PCX mostram mais preparo para uso convencional urbano em vias mal pavimentadas.

Por outro lado, a Yamaha apostou suas fichas na mecânica. Com o comando variável das quatro válvulas (duas no PCX), o motor provê uma potência consideravelmente mais elevada. Ela também tem pneus mais largos e freios maiores. Sem ter os mesmos equipamentos de conveniência, a escolha pelo NMax é mais voltada para quem quer um scooter com performance melhor, além de oferecer uma garantia superior.

Yamaha NMax 2018
Yamaha NMax
Imagem: Divulgação

Assine a newsletter semanal do AUTOO!

Tudo sobre a Honda PCX

Honda PCX